segunda-feira, 27 de abril de 2009

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Sobre a Liberdade...

Em resposta a um post noutro blog, sobre a liberdade/libertinagem da nossa imprensa e em jeito de reflexão sobre o 25 de Abril, aqui fica o meu pús:

"Pois...O conceito de liberdade tem sido abusado, como seria de esperar numa ainda jovem democracia. Afinal, a juventude é um período de experiências e de vivências, em que se aprende a conhecer-se e a conhecer os nossos limites.
Sem dúvida que a nossa imprensa tem abusado em diversos campos, quer seja por publicação de casos em segredo de justiça, em mediatização de tragédias pessoais/gerais, ou mesmo em casos de puro aproveitamento político/social.
O objectivo dos media é informar. Não educar, não criar opiniões nem lançar agendas. Para isso servem os editoriais e os artigos de opinião.
O nosso jornalismo, salvo raríssimas excepções, ainda está longe de amadurecer. Porquê? Principalmente, porque vende. O 24Horas, o Record, o telejornal da TVI, são todos líderes do mercado em que se inserem. E poderão argumentar que se estão no topo, é porque dão ao povo o que ele quer.
O povo, claramente, não sabe o que quer ou então, quer o que quer pelas razões erradas.
Um jornalismo de alta qualidade, íntegro, sem filiações nem agendas, basicamente jornalismo de alto nível (como o que acontece semanalmente em dois dos meus programas favoritos, curiosamente ambos no mesmo canal - Sic Notícias -, o 60minutos e o Sociedade das Nações) é necessário, é vital para uma sociedade informada, culta e verdadeiramente democrática.
Aí, nesses casos, sem preconceitos nem agendas, educa-se e moldam-se opiniões, sem dúvida, mas não são pensadas por outros, mas sim pelo espectador/leitor/whatever.

Os nossos media começam a assemelhar-se muito aos media americanos e ao tablóide inglês. Temos tanto prazer em qualificar o povo americano como burro (para usar um eufemismo) e o inglês como desvairado (para usar uma caneca de Sagres), que não nos apercebemos que esta superioridade moral/intelectual só existe na nossa cabeça.

Dizia ontem o Ramalho Eanes que temos neste país o que merecemos. Não deixa de ser verdade, mas estaremos contentes com o que fazemos por merecer? Eu não estou.
Este não é o melhor governo de sempre. Sócrates é inconsistente, para dizer o menos. O ministro da economia é uma piada. A cultura e o ambiente não existem. As obras públicas, para não variar, estão rendidas aos lobbys do betão. A educação peca pela intransigência e a obsessão. A saúde afasta-se cada vez mais da medicina para todos, em todo o lado.
Mas não estou a dizer que Ferreira Leite seja melhor, aliás, estou convencido que será bem pior. E digam-me se houve ou há algum político nos últimos 20 anos que tenha sido melhor. Apesar de todas as reformas e projectos positivos (e foram muitos, a meu ver) assinados por este governo nos últimos 4 anos, votamos no mal menor. Não é suposto ser assim, não gosto que seja assim.
Exigimos mais? Não. Temos o que merecemos. É como a crise de avançados na selecção. Não temos melhor? Pomos o puto maravilha/petulante a remediar ou importamos as sobras de um país de 3o mundo.

Agora vou ali acabar o meu doutoramento enquanto os fundos comunitários não acabam, porque no estrangeiro estão desejosos de pessoal qualificado e já com as despesas de treino pagas...
Fiquem com os cravos, que eu vejo os jogos do Porto pela internet, provavelmente bem longe daqui."

quarta-feira, 15 de abril de 2009

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Piropo da semana...

Posso-me sentar ao teu colo? É que nunca andei de avião...


Roubado daqui.

domingo, 5 de abril de 2009

Brotherly love....


Para ver uns quantos discursos que teriam envergonhado o speechwriter do Obama, clicai aqui e aqui. O discurso do Flea (Red Hot Chilly Peppers), encontra-se aqui, e é a síntese do que é ser fã de uma banda.